A Hyundai apresentou sua maior novidade pra quem é FULLPOWERmaníaco no Salão de Detroit, nos Estados Unidos, que abriu as portas para os jornalistas nesta segunda-feira (15). Trata-se do segundo modelo da linhagem esportiva N da marca: o Veloster.

O estranho modelo esportivo da Hyundai, que sofreu — ainda sofre — pra caramba no Brasil por conta do motor fraquinho que não condizia com sua pegada, aparentemente recebeu o trato especial que merecia e deve, enfim, agradar quem ficar atraído pelo seu jeito diferentão. Visualmente, o carro manteve a mesma silhueta e as três portas, características dele, mas a frente ficou bem mais madura, com uma grade hexagonal que impõe mais respeito do que a antiga. E nessa versão que importa, a N, ele ostenta ainda um kit aerodinâmico mais robusto, aerófolio, difusor traseiro, duas generosas saídas de escape, detalhes vermelhos e o tom de azul que caracteriza a linha N.

Tal qual o hot hatch i30 N, o Veloster foi pensando pra ser moído nas pistas, com um set up de suspensão bem mais afinado pra contornar curvas, direção precisa e pneus de alto desempenho (Pirelli P Zero ou Michelin SuperSport) com rodas de 19”. O carrinho ainda conta com diferencial com deslizamento limitado eletrônico e freios de 330 mm na frente e 299 mm atrás (ou opcionais de 345 mm na frente e 314 mm atrás).

A parte mais importa tá sob o capô. É o mesmo motor 2.0 turbo de quatro cilindros em linha do i30 N, calibrado para gerar os mesmo 275 cv e 36 kgfm de torque da versão mais nervosa do hot hatch. O câmbio é um manual de seis marchas. Apesar de não terem divulgado números de desempenho do Veloster N, a gente espera que ele seja ainda mais rápido que os 6,1 segundos que o i30 N demora para atingir os 100 km/h, já que ele deve ser mais leve.

As outras versões do novo Veloster tem os seguintes motores: um 2.0 de quatro cilindros aspirado de 149 cv e outro 1.6 turbo de 203 cv.